Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Amadeu Oliveira acusa juiz Alcides Andrade de “parcialidade” e vai pedir a sua suspeição junto do Tribunal de Relação (c/áudio)

Cidade da Praia, 04 Mar (Inforpress) – O advogado Amadeu Oliveira disse hoje que o juiz Alcides Andrade “não tem condições de isenção” para o julgar, pelo que vai requerer junto do Tribunal de Relação de Assomada para que este magistrado judicial seja considerado “suspeito”.

“Como é possível que o juiz permita que se me façam perguntas sobre amantes, namoradas e se faça o meu assassinato de carácter e deixa que os assistentes que representam o Supremo Tribunal de Justiça me façam todo o tipo de perguntas e, quando a defesa me faz perguntas sobre a inspecção judicial, as fraudes e as falsificações no Conselho Superior (de Magistratura) ele não permite?” questiona Amadeu Oliveira.

“Estou convicto que o meritíssimo juiz Alcides Andrade não tem condições de isenção para fazer este julgamento”, precisou Amadeu Oliveira que está a ser julgado por 14 crimes de calúnia e difamação a juízes do Supremo Tribunal de Justiça (STJ).

O arguido fez estas declarações à Inforpress depois de a sessão de hoje ter sido suspensa, a pedido do seu defensor oficioso, para pedir a suspeição do juiz Alcides Andrade que está a presidir ao julgamento do seu processo.

Considera que o juiz Alcides Andrade “não quer” que ele faça prova que existe um modo de actuar “típico de crime organizado” no sistema judicial cabo-verdiano.

Na sua perspectiva, o juiz em causa é “parcial e claramente do lado do Conselho Superior da Magistratura Judicial e do Supremo Tribunal”, além de “não ter amor à verdade e nem tem amor processual”.

Segundo suas palavras, está se perante uma “farsa de julgamento” e acto “carnavalesco a que está a assistir”.

“Vou pedir a sua suspeição para alguém o impedir de continuar este carnaval e, quem sabe, tenha a sorte de ter um juiz íntegro, totalmente imparcial e com amor à verdade e queira descobrir a verdade”, indicou Oliveira.

Instado sobre o tempo que tem para apresentar os argumentos dele junto do Tribunal de Relação, respondeu nesses termos: “O juiz deu-me duas horas para apresentar os fundamentos. Se Deus me der a bênção, e a inspiração, dentro de duas terei os argumentos feitos”, concluiu.

A sessão de hoje, que devia começar às 08:30, mas só se iniciou às 10:15, porque o arguido alegou que tinha percebido que eram às dez horas.

Após o início da sessão, esta foi suspensa, por duas vezes, durante minuto e meio, a pedido do advogado de defesa para concertar com o seu constituinte.

Entretanto, em plena audiência, momentos houve em que o arguido pediu ao juiz que o mandasse para a cadeia, porque, justificou ele, a sua defesa “não estava a ser garantida”.

O advogado de defesa, sob alegações que a defesa do seu constituinte não estava a ser garantida, requereu a suspensão da sessão, ao que o juiz aceitou marcando para as 14:00 a retoma do julgamento.

Amadeu Oliveira, que é acusado de 14 crimes de calúnia e difamação contra os juízes Benfeito Mosso Ramos (juiz conselheiro do STJ), Fátima Coronel (presidente do STJ) e contra a própria instituição Supremo Tribunal de Justiça (STJ), começou a ser julgado desde quarta-feira, 27 de Fevereiro.


LC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos