Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

AJOC vai levar dossiê sobre reforma antecipada dos jornalistas e equiparados à Assembleia Nacional

Cidade da Praia, 04 Jun (Inforpress) – A direcção da Associação dos Jornalistas de Cabo Verde (AJOC)  pretende levar o dossiê sobre a reforma antecipada dos jornalistas e equiparados  à Assembleia Nacional para apreciação do presidente e dos partidos políticos, enquanto órgãos legisladores.

Neste particular, a direcção da associação almeja reunir-se com o presidente da Assembleia Nacional, Austelino Correia, e com os partidos políticos, para debater esta reforma já debatida  no seio da classe, mas que a AJOC considera ser necessária levar esta discussão ao parlamento, enquanto órgão legislativo.

Esta preocupação foi manifestada à Inforpress pelo presidente da direcção da AJOC, Geremias Furtado, no seguimento da audiência da manhã de hoje com o secretário de Estado que tem a coordenação da pasta da Comunicação Social, Lourenço Lopes.

A ocasião também serviu para  a AJOC manifestar ao Governo a pretensão de assumir a presidência dos Jornalistas da CPLP ainda antes da sua passagem a Angola, ainda este ano, pelo que ambiciona realizar a assembleia-geral deste órgão lusófono.

Por esta razão, inteirou-se a direcção, junto do Governo, d a possibilidade de fazer advocacia no sentido de Cabo Verde realizar a próxima assembleia-geral  

O encontro, segundo Furtado, foi oportunidade aproveitada para a AJOC solicitar o alargamento da concessão ou cedência a título definitivo da sua sede, no Platô, edifício que sempre esteve ligado à comunicação desde o nascimento das edições VOZ DI POVO, passando pelo Novo Jornal e Jornal Horizonte e que tem beneficiado de “avultados investimentos” desta organização jornalística.

Geremias Furtado sublinhou ainda que a nova equipa directiva da AJOC levou ao governante a problemática da “situação precária” dos trabalhadores dos órgãos do sector público, e denunciou que colaboradores contratados para prestarem serviços já levam há mais de quatro/cinco anos nesta situação.

É que, a AJOC entende que se deve rever esta situação, por considerar que a “prestação de serviço é pontual” não se enquadra com o perfil dos profissionais “nesta situação duradoura”.

A sustentabilidade dos órgãos privados, também foi uma inquietação colocada sobre a mesa de trabalho pela AJOC, desde que os benefícios/apoios que vierem a ser distribuídos a esses órgãos reflictam na melhoria das condições do trabalho dos jornalistas, bem como na melhoria salarial.

A direcção destacou a atenção a que a sua equipa constatou do governante, referindo ter saído do encontro “muito optimista”, asseverando que entre a “anterior tutela e a AJOC não houve este canal de diálogo”, pelo que disse acreditar que se está a abrir “novos canais de diálogo” que vão ao encontro do desejo da AJOC.

“Achamos que isto deve-se muito à personalidade do secretário de Estado, uma pessoa que tem conhecimento do panorama e da realidade da comunicação em Cabo Verde porque conhece muito bem o jornalismo e uma pessoa que também se mostrou muito sensível para as questões relacionadas com os jornalistas”, disse.

O governante, explicitou Geremias Furtado, deixou claro que vai contar com a AJOC na definição das políticas do executivo neste sector, situação que, conforme referiu, deixa bastante satisfeita e optimista a direcção que tem estado também a encetar contactos com os órgãos de comunicação social e que teve como ponto de partida a gestora executiva da Inforpress.

SR/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos