Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

AJOC procede hoje à entrega do Prémio Nacional de Jornalismo 2017

 

Cidade da Praia, 07 Jul (Inforpress) – A Associação Sindicato dos Jornalistas de Cabo Verde (AJOC) procede hoje à entrega Prémio Nacional de Jornalismo 2017 numa cerimónia presidida pelo ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, que tutela a Comunicação social.

São três prémios das três categorias, designadamente rádio, televisão e imprensa escrita.

Na categoria televisão foi vencedora a jornalista da Televisão de Cabo verde (TCV)  Anabela Varela e a sua equipa com uma reportagem sobre a história secular da emigração dos bravenses para os Estados Unidos da América, denominada “Do sonho à saudade”.

A reportagem resgata os primórdios dessa aventura crioula que teve na pesca da baleia o trampolim de muitos cabo-verdianos para os Estados Unidos de América.

Na categoria da rádio, a jornalista Gisela Barros foi a vencedora com uma reportagem sobre a microcefalia, que procura compreender as consequências dessa deficiência congénita para os recém-nascidos e para as respectivas mães.

A dupla Geremias Furtado/Jaqueline Neves vai receber o prémio do melhor trabalho na categoria da imprensa escrita pela reportagem “Assédio sexual: uma realidade ignorada por todos” que retrata o assédio sexual nas escolas cabo-verdianas e “põe a nu toda uma cadeia de desresponsabilização e indiferença” que vai desde a família, passando pela escola até aos decisores políticos.

Igualmente foram atribuídas menções honrosas aos trabalhos dos jornalistas Soraia Deus, com a reportagem sobre “Zica”, que fala da aflição de algumas mulheres grávidas quando descobriram que estavam infectadas com o vírus da Zica, e Nuno Andrade Ferreira, da Rádio Morabeza, que apresentou a peça “Nô Matu”, retratando o problema da desflorestação na Guiné-Bissau.

A jornalista Sara Almeida, do jornal Expresso das Ilhas, por seu lado, também vai receber uma menção honrosa pela reportagem “Uma história mal contada”, um esforço no sentido de reconstituir, a quente, o “massacre do Monte Tchota”, na madrugada do dia 25 de Abril de 2016.

Os vencedores do Prémio Nacional do Jornalismo de 2017, criado pelo Governo em 2014, vão receber o montante de 500 mil escudos cabo-verdianos, por cada categoria.

Ao todo concorrem 25 jornalistas, o que na perspectiva da AJOC prova a consolidação do prémio no seio da classe jornalística cabo-verdiana, que o vê como um reconhecimento justo pela qualidade e excelência do que se produz em Cabo Verde”, salientou Carla Lima.

O acto de entrega do prémio está previsto para às 16:00 na sede da AJOC no Platô, Cidade da Praia.

MJB/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos