Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

AJOC pede atenção às acções que possam configurar situações de ataque contra jornalistas

Cidade da Praia, 24 Nov (Inforpress) – A Associação Sindical dos Jornalistas de Cabo Verde (AJOC) pediu hoje atenção à situação laboral precária de muitos jornalistas e à acções de entidades empregadoras que possam configurar ataques contra jornalistas e à liberdade de imprensa.

O presidente da AJOC, Geremias Furtado, em declarações à Inforpress por ocasião da comemoração do 31º aniversário da AJOC, que se assinala hoje, 24 de Novembro, começou por parabenizar a todos os jornalistas membros da organização, especialmente os sócios fundadores que, “numa altura crucial”, nos anos 90, deram corpo à associação.

Este responsável aproveitou ainda para expor um conjunto de situações que preocupam a associação sindical, afirmando que a direcção nacional da AJOC aproveita esta data para apelar a todos à uma reflexão em torno da situação da Comunicação Social no País.

“Pedimos reflexão porque, embora no seu último relatório a Repórteres Sem Fronteira (RSF) ter pontuado a ausência de ataques contra jornalistas em Cabo Verde, acreditamos que eles existem, não casos de agressão e assassinato, mas sim pressões de ordem psicológica e moral”, frisou.

Geremias Furtado disse ainda que, embora a AJOC regista com “muito apreço” o facto de não ter havido casos de despedimentos de jornalistas e demais profissionais da comunicação social com a justificativa da covid-19, condena o facto de muitos jornalistas e estagiários, tanto dos órgãos públicos, como dos órgãos privados, terem sido sujeitos a situações de precariedade laboral e de exposição ao vírus.

“Há, por exemplo, jornalistas que se deslocavam e ainda se deslocam de autocarro para as reportagens. Entretanto, ninguém apresentou uma queixa formal à AJOC ou outra entidade, a Inspecção Geral do Trabalho, por exemplo, para pôr cobro à situação, isto talvez se justifica pelo medo que muitos têm de perder o seu posto de trabalho”, acrescentou.

Outra preocupação apontada por Geremias Furtado tem a ver com o Programa de Estágios Profissionais. Segundo queixou, este programa tem sido usado por órgãos de comunicação social, tanto público, como privado, para “a exploração” de jovens recém-formados jornalistas.

“Sabemos que há órgãos de comunicação que estão a recusar pagar a parte que lhes cabe, deixando os jovens auferirem apenas da parte do Governo, disponibilizada pelo Instituto Emprego e Formação Profissional (IEFP). Uma prática que fere o jornalismo, uma vez que jovens jornalistas já começam a ser explorados e deixados em situações de vulnerabilidade, logo no início das suas carreiras profissionais”, ressaltou. 

Geremias Furtado disse ainda ser “pena” que tais situações continuem a ser escondidas pelas próprias vítimas, o que, de certa forma, realçou, acaba legitimando os ataques que vêm sofrendo ao longo dos tempos.

“Precisamos nos unir cada vez mais e pôr cobro a determinadas situações que minam a liberdade de imprensa em Cabo Verde. Todos sairemos a ganhar. A AJOC continuará firme e forte nos seus objectivos, esperando continuar a contar com a colaboração de todos vós, caros associados”, pontuou.

Para marcar a data, a AJOC irá promover nos próximos dias tertúlias sobre o jornalismo em diferentes escolas secundárias do País, com o objectivo de fazer com que os alunos saibam a importância do jornalismo e despertem o interesse pela profissão.

MJB/ZS

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos