Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

AJOC denuncia ataque à liberdade de imprensa e lança pedido internacional de socorro (c/áudio)

Cidade da Praia, 13 Jan. (Inforpress) – A AJOC denunciou hoje, Dia da Liberdade e da Democracia, que a liberdade de imprensa no País está a ser posta em causa e atacada pela justiça, visando limitar a classe e “lança um pedido internacional de socorro”.

Em conferência de imprensa realizada na sua sede no platô, o presidente da Associação Sindical dos Jornalistas de Cabo Verde (AJOC), avançou que “perante um verdadeiro ataque à liberdade de imprensa em Cabo Verde”, o pedido internacional de socorro vai ser dirigido a Repórteres Sem Fronteiras, à Federação Internacional dos Jornalistas e todas as entidades que forem necessárias.

Geremias Furtado justificou esta tomada de posição por entender que a liberdade de imprensa é indispensável à democracia e que “não se deve aceitar que a mesma seja posta em causa, ainda mais por quem tem o dever e a obrigação de a defender”.

Disse que a liberdade da imprensa não começou em 2022 da melhor maneira, justificando que “em menos de uma semana, dois episódios marcam pela negativa o exercício do jornalismo em Cabo Verde”, acções que, a seu ver, precisam de “um basta sob pena” do país descer, uma vez mais, os degraus “importantes” conquistados nestes 46 anos da independência.

A razão, clarificou, está no facto do presidente do Supremo Tribunal da Justiça “ter posto em causa a capacidade interpretativa de um jornalista”, por sinal Orlando Rodrigues, referenciado como sendo “muito experiente”, mandando rectificar uma peça divulgada na televisão pública”, ao qual se segue a constituição de arguido o director e redactor do Santiago Magazine, Hermínio Silves, num processo de suposta violação de segredo de justiça.

Para a direcção da AJOC, que esteve também representada nesta conferência de imprensa pela vice, Gisela Coelho, este último caso “torna-se ainda mais grave para a classe jornalística”, quando se sabe que o jornalista não tem o dever e a obrigação de defender o segredo de justiça.

Nesta perspectiva, parafraseou o Presidente da República, José Maria Neves, para quem, “não deve ser condenado o jornalista por publicar informações às quais têm acesso, com o único interesse de informar a opinião pública, com a maior transparência possível”.

“Inquieta-nos ainda mais saber que no âmbito deste processo de suposta violação de segredo de justiça, procuradores da República e inspectores da polícia judiciária foram alvo de buscas nas suas residências e escritórios. Esperamos que o jornal Santiago Magazine e o jornalista Hermínio Silves não venham a ser alvo também, o que, no nosso ponto de vista, iria afrontar mais a liberdade de imprensa em Cabo Verde”, realçou.

Perante estes casos, a AJOC apelou a todos os jornalistas a não se deixarem intimidar com acções do tipo e que continuem firmes no exercício das suas funções, denunciando sempre situações que põem em causa a liberdade de imprensa e os direitos dos jornalistas em Cabo Verde”.

Exortou a união da classe no sentido de consciencializar sobre os “perigos que pairam sobre os jornalistas”, sublinhando para a necessidade de “dar um chega para lá às determinadas figuras da justiça que, se calhar”, pensam que ainda se está no século XII, em que a justiça e os seus feitores se encontravam numa posição intocável.

SR/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos