Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Agostinho Silva deixou de ser dirigente da UNTC-CS quando foi eleito coordenador do PAICV em 2020 – secretária-geral

Cidade da Praia, 12 Jul (Inforpress) – A secretária-geral da UNTC-CS, Joaquina Almeida, disse hoje que Agostinho Silva perdeu a condição de membro do Secretariado Nacional (SN) e do Conselho Nacional quando foi eleito coordenador do PAICV na ilha do Maio, em 2020.

Joaquina Almeida falava em conferência de imprensa convocada para reagir às declarações de Agostinho Silva que denunciou ter sido impedido de entrar na sala da reunião realizada em São Vicente na semana passada, e a acusou de não reunir as mínimas condições para continuar na liderança.

A secretária-geral da UNTC-CS, exibindo uma notícia datada de Janeiro de 2020, que dava conta da eleição de Agostinho Silva para o cargo de coordenador do PAICV na ilha do Maio, explicou que com essa eleição o então membro do SN entrou em regime de incompatibilidades e impedimentos expostos no nº 2 do artigo 20º dos estatutos da UNTC-CS.

“O nº 2 do artigo 20º adianta que fica vedado o exercício simultâneo de cargo sindical na UNTC-CS e cargo político. Portanto, ele perdeu automaticamente o mandato”, sustentou avançando que ao senhor Agostinho foi-lhe comunicado este facto logo após à sua eleição ao cargo partidário, mas que este nunca reagiu.

Por isso mesmo, confirmou que o mesmo não foi convidado para a reunião, indicando também que não houve da parte da UNTC-CS qualquer solicitação de dispensa à CV Telecom onde Agostinho Silva trabalha para que ele pudesse deslocar-se à São Vicente para a reunião do SN.

“Os membros do SN presentes na reunião, são membros de pleno direito deste órgão, uma vez que os sindicatos já negociaram as dívidas com a central. Acontece que o senhor Agostinho não é membro do SN logo não recebeu a convocatória”, disse.

Joaquina Almeida afirma que é “pura falácia” tudo que o disse Agostinho Silva e o Tomás Delgado, a quem acusa de estar a querer legitimar a ilegalidade.

“Estão a litigar de má-fé, com falsidades e inverdades, tentando passar a imagem errada da UNTC-CS e da secretária-geral de modo a confundir a opinião pública. Queremos chamar a atenção que a UNTC-CS não pactua com situações de fraude e de violação da lei para ilegalidades”, disse.

“Durante 20 anos incumpriram com os estatutos e agora reagem mal porque são lhes exigidos o estrito cumprimento da lei e dos estatutos”, acrescentou.

Joaquina Almeida explicou que o secretariado nacional da União Nacional dos Trabalhadores Cabo-verdianos – Central Sindical (UNTC-CS) é integrado por 13 elementos.

Conforme indicou, com o falecimento de um dos membros e a perda automática de mandato por parte de Agostinho Silva, dois suplentes passaram a integrar o órgão.

MJB/CP

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos