Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

AGEPC-CV promove encontro de reflexão sobre “Economia de Francisco no contexto da covid-19”

Cidade da Praia, 29 Dez. (Inforpress) – A Associação de Gestores, Empresários e Profissionais Católicos de Cabo Verde (AGEPC-CV) promove, esta quarta-feira, na Praia, um encontro de reflexão com os empresários sobre o tema “Economia de Francisco no Contexto da COVID-19”.

O evento realiza-se na sala de Conferência Ministério das Finanças e tem já asseguradas intervenções do Cardeal Dom Arlindo Furtado e do vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, e do representante da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Sotavento (CCISS).

Consta ainda da agenda do trabalho uma comunicação por videoconferência do novo presidente da União Cristã Internacional de Executivos de Negócios África (UNIAPAC -Internacional, Bruno Boboni, sobre o tema, bem como da presidente da AGEPC-CV e da UNIAPAC-África, Milucí Barbosa dos Santos, neste evento que culminará com uma oração final de Dom Arlindo Furtado

A presidente da AGEPC-CV, Miluci Santos, avançou à Inforpress que se pretende com este encontro “levar uma mensagem de esperança aos empresários para o ano 2021”, que acreditem em Deus, para que as empresas possam ser mais humanas e confiantes e que nos futuro juntos consigam ultrapassar a pandemia da covid-19.

“É uma mensagem de esperança, sobretudo para o novo ano e também manifestar a nossa força no combate contra a covid-19”, explicou.

Criada em Março de 2015, a AGEPC-CV define-se como uma associação de cariz privada, de fiéis católicos, sem fins lucrativos, dotada de personalidade jurídica no foro canónico e civil.

A AGEPC-CV e os seus membros orientam-se pelos princípios de solidariedade e ajuda mútua, voluntariado, equidade e justiça social, e regem-se por alguns objectivos, nomeadamente, fomentar a solidariedade humana, realizar actividades de formação, colaborar com as instituições, públicas, religiosas, contribuindo para melhoria das condições de vida das populações mais desfavorecidas.

Propõe ainda estabelecer parcerias com os poderes públicos, o sector privado e os actores sociais no desenvolvimento das suas actividades.

SR/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos