Agenda Cultural Nacional orçado em sete mil milhões de escudos abrange 74 projectos 

Cidade da Praia, 12 Mai (Inforpress) – O Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas socializou hoje, na Praia, a agenda cultural nacional orçada em sete mil milhões de escudos, abrangendo 74 projectos culturais a acontecer em todas as ilhas do arquipélago.

Em conferência de imprensa, a assessora para projectos do Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas, Vandria Monteiro, avançou que a Agenda Cultural Nacional surgiu no âmbito do primeiro Edital Fomento à Criação Artística Nacional desta X Legislatura, realizada pelo Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas, através da Direcção-Geral das Artes e das Indústrias Criativas.

O referido edital foi lançado no dia 3 de Fevereiro findo a 3 de Março, no qual foram submetidos 206 projectos a nível nacional, maioritariamente da ilha de Santiago, São Vicente e Santo Antão, mencionou a responsável.

“O valor total dos projectos recebidos são 38 milhões de escudos cabo-verdiano, no entanto o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas decidiu, através deste primeiro edital, criar uma agenda cultural a nível nacional”.

Desta feita, apontou, foram selecionados 74 projectos, que rondam sete mil milhões de escudos cabo-verdianos, abarcando projectos da área da música, dança, moda, teatro, fotografia, artesanato, artes urbanas, literatura, e festas de arte.

Precisou que o valor máximo para este edital foi de 100 mil escudos, e quase todos os promotores já receberam a quantia.

Os projectos são maioritariamente da ilha de Santiago (32), São Vicente (18), Maio (três), Sal (dois), São Nicolau (um), Fogo (um), Brava (um) e Santo Antão, Fogo e Brava ficaram com dois projectos cada, referiu Vandria Monteiro.

Segundo a assessora, a ilha da Boa Vista não participou do edital, mas o objectivo principal desta agenda cultura é a descentralização, pelo que todas as ilhas do País terão projectos, sendo os promotores oriundos ou não destas ilhas, ou seja, promotores de outras ilhas vão ter que descentralizar por forma a ter projectos a realizar em todo Cabo Verde.

Para o mês de Maio, indicou, são cerca de 13 eventos a acontecer nas ilhas de São Vicente, Santiago (Praia) e na ilha do Sal, e, assegurou, os eventos já estão a concretizar-se.

“No dia 07 de Maio tivemos ‘Minis de 2000’ da companhia de teatro Fladu Fla e tivemos também no dia 11 em Santa Catarina a apresentação do livro letrado no geração”, tendo frisado que a agenda cultural será apresentada ao longo dos meses.

“Os 74 escolhidos são projectos que realmente podiam acontecer a qualquer momento, mas precisavam de um pequeno empurrãozinho, mas nós vamos ter outros projectos que vão fazer parte de um próximo edital e os que já candidataram não precisarão submeter uma outra candidatura porque já fazem parte da nossa base de dados e serão avaliados para o nosso próximo edital”, sublinhou Vandria Monteiro.

Por seu lado, o director geral das Artes e das Indústrias Criativas, Adilson Gomes, explicou que o Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas tem financiado anualmente vários projectos culturais através dos editais, e o que se está a fazer é unir todos estes projectos criando uma agenda cultural que decorrerá até o final do ano, complementando com os grandes projectos como o AME (Atlantic Music Expo), Mindelact, Urdi de entre outros.

“Todas estas actividades vão entrar dentro desta agenda cultural nacional, cujos projectos vamos apresentar mensalmente, podem sofrer alterações de datas, mas irão acontecer durante este ano”, sustentou aquele director.

A ideia, segundo Adilson Gomes, é fazer com que as actividades realizadas na capital cabo-verdiana aconteçam, igualmente, nos concelhos “mais remotos” com a mesma qualidade, desde que tenham todas as condições para a tal.

TC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos