Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

África precisa de 448.000 ME para cumprir Objectivos Desenvolvimento Sustentável

Abidjan, 18 Mai (Inforpress) – Os países africanos precisam de 500 mil milhões de dólares (448 mil milhões de euros) para atingir os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, disse o vice-presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), numa conferência sobre o endividamento da África subsaariana.

“Para cumprir os ODS nas áreas da educação, saúde e infra-estruturas é preciso meio bilião de dólares”, disse Charles Boamah durante uma conferência em Abidjan, organizada pelo BAD e pelo Banco Mundial sobre o tema do sobre-endividamento em África.

Nos últimos sete anos, o perfil da dívida da maioria dos países de médio e baixo rendimento em África deteriorou-se substancialmente, o que fez com que o número de países classificados como tendo uma dívida problemática, ou seja, acima do limiar de sustentabilidade, tenha passado de nove para 17 entre 2013 e 2019.

Charles Boamah vincou que o sobre-endividamento de vários países africanos “está no centro de muitas discussões que decorrem nestes dias” e exemplificou com o aumento de capital em preparação para o BAD e com o reforço financeiro do Fundo Africano de Desenvolvimento.

“A Associação para o Desenvolvimento Internacional (IDA) do Banco Mundial e o ADF estão a trabalhar em conjunto com uma missão comum de desenvolver iniciativas para lidar com as vulnerabilidades nos países-membros”, disse o vice-presidente do BM com o pelouro do Financiamento para o Desenvolvimento, Akihiko Nishio, salientando que estas entidades têm a obrigação de fornecer aos clientes “os recursos e o apoio necessário para atingir os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável”.

Os ministros das Finanças de vários países africanos que participaram nesta reunião defenderam a criação de estratégias inovadoras para conseguirem financiar-se nos mercados internacionais a preços sustentáveis, incluindo emissões em francos africanos (CFA) e um recurso maior ao financiamento islâmico.

“Devíamos ter a possibilidade de emitir dívida pública em francos africanos, porque como não somos conhecidos nos mercados internacionais, acabamos por pagar um preço mais alto; se tivéssemos um mecanismo de garantia, isto ia permitir-nos emitir dívida soberana a um preço mais baixo”, disse o ministro das Finanças da Costa do Marfim, Adama Koné.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos