Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

África do Sul: PR Ramaphosa diz que violência foi “instigada, planeada e coordenada”

Joanesburgo, 16 Jul (Inforpress) – O Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, considerou hoje, à chegada à província do KwaZulu-Natal, que as acções de violência, saques e intimidação que causaram mais de uma centena de mortos foram “instigadas, planeadas e coordenadas”.

“Estamos extremamente preocupados com o que aconteceu e estamos a envidar todos os esforços para lidar com a situação e é óbvio que os saques e a violência foram instigados. Foi planeada e coordenada por pessoas”, disse o Presidente Ramaphosa, de visita ao centro comercial Bridge City Mal, na área de KwaMashu.

O chefe de Estado sul-africano referiu que “a Polícia está ao corrente da situação”, salientando que o Governo “identificou um bom número deles”.

“Não vamos permitir que haja caos e anarquia. Infelizmente, já se causou muita destruição no país e já pessoas perderam a vida”, acrescentou.

Ramaphosa referiu, no entanto, que as autoridades desconhecem “quais são as intenções dos instigadores que estão por detrás da violência”.

O Presidente sul-africano aplaudiu os cidadãos que “defenderam a democracia”, referindo-se à actuação de civis armados, que saíram à rua para defender comunidades, residências e negócios.

Na óptica de Ramaphosa, que é também presidente do Congresso Nacional Africano (ANC, na sigla em inglês), o partido no poder desde 1994, “a violência já não é sobre mobilização étnica”.

A ministra da Presidência, Khumbudzo Ntshavheni, referiu na quinta-feira que as autoridades sul-africanas estão a investigar 12 pessoas, que o Governo considera serem os alegados “instigadores” da actual onda de violência, saques e intimidação no país, salientando que um dos suspeitos está sob custódia policial, sem avançar detalhes.

O número de vítimas mortais da violência que assola a África do Sul pelo oitavo dia consecutivo, fez pelo menos 117 mortos e mais de 2.200 detenções até quinta-feira, segundo um novo balanço divulgado pela Presidência da República sul-africana.

Estima-se que vivam cerca de 450.000 portugueses e lusodescendentes na África do Sul, mas segundo o Governo não há cidadãos nacionais entre as vítimas, havendo apenas registo de danos materiais, sobretudo em estabelecimentos comerciais propriedade de portugueses.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos