Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Administração Biden congela venda de caças F-35 aos Emirados Árabes Unidos

Washington, 27 Jan (Inforpress) – A Administração de Joe Biden congelou e vai rever os acordos para venda aos Emirados Árabes Unidos de caças F-35, aprovados pelo ex-Presidente Donald Trump no final do seu mandato.

Entre vários negócios agora suspensos destaca-se a venda, no valor de 23 mil milhões de dólares, de 50 caças F-35 aos Emirados Árabes Unidos, que permitiriam a este aliado norte-americano ser o primeiro Estado árabe do Médio Oriente a operar o avião.

Segundo o Departamento de Estado, trata-se de uma “acção administrativa de rotina”, habitualmente feita por novas administrações com contratos de venda de armamento, e a revisão dos contratos não implica o seu cancelamento.

“Esta é uma acção administrativa de rotina, habitual na maioria das transições, e demonstra o compromisso da Administração com a transparência e boa governação, bem como assegurar que as vendas de armas dos Estados Unidos vão ao encontro dos nossos objectivos estratégicos de apoiar parceiros de segurança no seu fortalecimento, interoperacionalidade e maior capacidade”, referiu o Departamento de Estado.

A Administração Trump aprovou nos seus últimos meses vendas de armamento no valor de dezenas de milhares de milhões de dólares, incluindo dos F-35 aos Emirados Árabes Unidos, após a assinatura dos Acordos Abraham, que normalizaram as relações entre deste país e do Bahrein com Israel.

Uma tentativa para bloquear a aprovação da venda no Senado, em Dezembro, não obteve os votos necessários.

Os senadores criticaram a rapidez e as dúvidas em relação ao acordo, apresentado pela Administração Trump como parte do esforço para conter a ameaça do Irão no Médio Oriente.

Entre os acordos criticados por membros do Senado está um com a Arábia Saudita, cuja aprovação pelo Congresso o ex-secretário de Estado Mike Pompeo evitou alegando uma situação de emergência.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos