AAC esclarece que não existe risco iminente de acidente de aviação em Cabo Verde

 

Cidade da Praia, 12 Abr (Inforpress) – A Agência de Aviação Civil (AAC) emitiu hoje um comunicado esclarecendo que não existe risco iminente de acidente de aviação em Cabo Verde, conforme foi veiculado pela comunicação social na sequência das afirmações do presidente do Sindicato dos Pilotos.

No documento em apreço, a AAC adianta que perante o estado de “inquietação gerada” em torno da notícia publicada, a AAC constituiu já uma equipa multidisciplinar encarregue de averiguar a veracidade das alegações, e, caso vier a constatar situações de irregularidades nos períodos de trabalho e descanso das tripulações da TACV, agirá em conformidade com a lei.

No entanto sublinha que os regulamentos aeronáuticos nacionais relativamente ao período de trabalho e período de descanso dos tripulantes, refletem as normas internacionais estabelecidas pela Organização de Aviação Civil Internacional (OACI).

A entidade avança que as companhias aéreas, uma vez certificadas, são responsáveis por cumprir os regulamentos nacionais e garantiu que no âmbito da sua actividade de supervisão, verifica o cumprimento destes regulamentos por parte dos operadores aéreos nacionais.

Adianta que inclusive no primeiro trimestre deste ano, para além das demais actividades de supervisão fez outras inspeções à TACV, com incidência directa sobre os períodos de trabalho e descanso das tripulações, tendo sido realizado também as supervisões de cockpit e cabine em rota, inspeções de aeronaves em placa (antes ou depois dos voos) e auditoria completa ao sistema de controlo operacional da TACV.

Realça, a este propósito, que foram constatadas algumas irregularidades, tendo a TACV tomado medidas imediatas para certas situações e apresentado um plano de correção para as demais.

No mesmo documento, a AAC esclarece que para além de desempenhar as suas actividades profissionais, os pilotos são sujeitos a uma certificação médica e revisões periódicas por médicos aeronáuticos devidamente qualificados e certificados pela AAC, para o desempenho da sua função.

Por outro lado, adianta, que a empresa notifica a AAC imediatamente caso verificar que o estado de saúde físico ou mental dos pilotos possa representar um risco para a segurança operacional.

“Ao longo dos últimos anos, poucos têm sido os casos de tripulantes que se enquadram nesta situação, mas estes, sempre que verificados, são afastados imediatamente das suas atividades profissionais. Em todo o caso, a AAC não recebeu relatórios médicos especializados acusando cansaço por parte dos tripulantes de voo”, refere no comunicado.

MJB/FP

Inforpress/fim

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos