Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

13 de Janeiro: PR afirma que a covid-19 também afectou a democracia que precisa ser restaurada e consolidada

Cidade da Praia, 13 Jan (Inforpress) – O Presidente da República, José Maria Neves, afirmou hoje que a covid-19 também afectou a democracia, pelo que defende que o momento é também para restaurar e consolidar os valores democráticos fragilizados com a pandemia.

Ao discursar pela primeira vez na sessão solene do 13 de Janeiro, Dia da Liberdade e da Democracia, José Maria Neves sublinhou que “muitas liberdades foram cerceadas”, “muitos direitos suprimidos” e muitos Estados tornaram-se “mais musculados,” a pretexto da pandemia.

“De onde que um desafio que se coloca a nível global, para além do económico, é justamente o de restaurar e consolidar os valores democráticos entretanto fragilizados”, disse.

Em Cabo Verde, salientou que “felizmente” mesmo durante o período em que esteve em vigor o Estado de Emergência, com as suas especificidades e condicionamentos, no essencial, as liberdades foram respeitadas e cumpriu-se a Constituição.

Entretanto, sublinhou que a “forma desproporcional como a pandemia atingiu os segmentos mais desfavorecidos da sociedade cabo-verdiana constituem um muito sério alerta para a necessidade, ou melhor, a premência de cumprirmos a Constituição económica, social e cultural junto de uma ainda larga franja da população.

“É tempo de avaliar, é tempo de crítica e serenamente identificar as melhorias que temos de introduzir com vista a mais qualidade das instituições democráticas e, por outro lado, visando políticas públicas que mais eficazmente respondam às demandas e aspirações da população”, afirmou.

“Enquanto Nação somos chamados a acelerar o passo e a fazer melhor. A reequacionar as prioridades, a ter um outro sentido do tempo e das premências. O tempo e as premências têm significados diferentes para quem viva com conforto e para quem, pelo contrário, sobrevive na carestia”, acrescentou.

Durante o seu discurso, José Maria Neves advogou que a democracia estará a realizar-se plenamente quando os jovens tiverem acesso a um emprego digno, quando a taxa de pobreza for reduzida “consideravelmente” ou eliminada quando milhares de cabo-verdianos tiverem acesso a uma habitação condigna.

Defendeu ainda melhorias a nível da garantia do direito à saúde, à educação, à segurança e o direito de acesso à cultura como forma de assegurar a realização da democracia.

“A democracia em Cabo Verde realiza-se plenamente quando as condições de mobilidade estiverem asseguradas entre as ilhas de forma a evitar a criação de ainda mais periferias, num país já por si arquipélago. Temos todos de estar comprometidos com o combate às desigualdades e a todas as formas de exclusão e marginalização sociais. Elas comprometem seriamente a democracia”, sustentou.

Na sua missiva, o Chefe de Estado saudou e felicitou os cabo-verdianos e encorajou a todos a continuar a cultivar, a promover e a defender os valores cardinais da Liberdade e da Democracia.

“A Democracia é já um costume em Cabo Verde. O desafio é agora o do aperfeiçoamento. Quotidianamente. Com o empenho e o contributo de todos e de todas. Não percamos de vista que a vitalidade da democracia reside na sua capacidade de democratização permanente”, recomendou. 

Neste sentido, salientou que há que melhorar o que pode ser melhorado, principalmente no respeitante ao clima de crispação política.

“Quero, uma vez mais, manifestar perante os representantes do Povo, toda a disponibilidade do Presidente da República em contribuir para a distensão do debate político e do diálogo social. Insisto no seguinte: Cabo Verde quer mais e melhor da sua classe política”, disse.

O Chefe de Estado fez referência igualmente à imprensa, salientando que “uma imprensa livre, forte e independente” é um dos mais sólidos garantes da democracia.

“Aliás, não se concebe democracia sem imprensa livre. Um decisivo teste aos democratas é precisamente a sua capacidade de conviver com a imprensa livre, ajudando-a a fortalecer-se, criando-lhe condições para que exerça, plenamente e sem condicionamentos de espécie alguma, a sua função de vigia da democracia e farol da liberdade”, realçou.

Durante a sessão discursaram também os representantes dos partidos com assento parlamentar, a UCID, o PAICV e do MpD e o Presidente da Assembleia Nacional, Austelino Correia.

O 13 de Janeiro é a data em que, pela primeira vez, em 1991, os cabo-verdianos exerceram o seu direito de voto nas primeiras eleições multipartidárias, após 15 anos em regime de partido único.

As primeiras eleições multipartidárias no arquipélago foram ganhas pelo Movimento para a Democracia (MpD), partido que regressou em 2016 ao poder após 15 anos na oposição e ao qual a data está mais associada.

MJB/ZS

Inforpress/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos