Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Visita do Papa João Paulo II a Cabo Verde é uma data “memorável para os cabo-verdianos” – Bispo D. Arlindo (c/áudio)

Cidade da Praia, 26 Jan (Inforpress) – O bispo de Santiago disse hoje que a visita, há 29 anos, do Papa João Paulo II a Cabo Verde é uma data “memorável para os cabo-verdianos” e que este sumo pontífice provocou uma “viragem na própria história mundial”.

“Pela primeira vez um Papa a visitar Cabo Verde, um Papa de envergadura de S. João Paulo II, naturalmente, é motivo de orgulho de um povo e, também, de gratidão”, afirmou o Cardeal Dom Arlindo, para quem o antigo bispo de Roma percorreu o mundo quase todo, como pastor universal, e Cabo Verde pertenceu a esse grupo de países privilegiados, que teve a “graça da presença e bênção de João Paulo II”.

O responsável da Diocese de Santigado fez estas declarações em entrevista exclusiva à Inforpress, a propósito dos 29 anos da visita de João Paulo II ao arquipélago, que hoje se assinala.

O Sumo Pontífice visitara Cabo Verde durante os dias 25, 26 e 27 de Janeiro de 1990, e esteve na ilha do Sal, e nas cidades da Praia e do Mindelo e, naquela que seria a primeira e única visita de um Papa ao arquipélago.

Na altura da visita de João Paulo II, Dom Arlindo era um padre que estava a estudar em Roma e foi convidado pela Redacção do Observatório Romano, jornal oficial do Vaticano, para acompanhar e ver se teria havido alguma alteração nos discursos que tinham que ser publicados exactamente como foram proferidos pelo Papa.

“Vivi intensamente, como todos os cabo-verdianos, esse momento grande (da visita do Papa João Paulo II) para o país e para a nossa Igreja”, indicou o prelado, que recorda com “gratidão esta experiência interessante”.

Num dos seus discursos proferidos na cidade da Praia, João Paulo II desejara aos cabo-verdianos um “desenvolvimento autêntico” e uma solidariedade que levasse à fraternidade “assentes nos direitos e liberdades fundamentais inseparáveis da dignidade do homem”.

Um ano depois da visita dele, deu-se abertura política no país, tendo sido realizadas as primeiras eleições democráticas e multipartidárias.

Instado se a vinda do Papa a Cabo Verde teria contribuído para a democratização do país, Dom Arlindo Furtado respondeu nesses termos: “Com certeza, mas já antes porque o Papa visita um país a convite dos bispos locais e, também, das autoridades locais. A abertura das autoridades para convidar o Papa já era um grande sinal. Amílcar Cabral tinha sido recebido pelo Papa Paulo II. Acho que a sensibilidade de Aristides Pereira (primeiro Presidente de Cabo Verde) teria contribuído também para que a visita do Papa pudesse projectar um pouco o país para maior conhecimento mundial e despertar a sensibilidade de outros países para ajudarem Cabo Verde, um país aberto aos valores ocidentais”.

O Papa João Paulo II, prossegue o Cardeal, enquanto homem de “personalidade forte” ajudou muitas regiões do globo à “maior democracia participativa”.

“A presença dele em Cabo Verde também ajudou e deu impulso à abertura política, o que é muito positivo para a nossa história”, enfatizou Dom Arlindo.

De Cabo Verde, o Santo Padre seguiu para a vizinha Guiné-Bissau, e depois Mali e Burkina Faso.


LC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos